A value is required.
O mais belo dos macacos é feio se se compara com a raça dos homens. O mais sábio dos homens, comparado com Deus parece um macaco em sabedoria, beleza e tudo o mais...
Heráclito
Cosmogonia Antropogenese Apocalipse Mitos e Lendas Deuses Herois Divindades Filmes Épicos
A Septuaginta alexandrina
Comentários | Referências bibliográficas | Como citar essa página?
Introdução a História da Antiguidade
Introdução a História da Antiguidade -  | 2009 |
Pierre Cabanes
Dos democratas aos reis
Dos democratas aos reis -  | 2012 |
Michael Scott
Mais belas histórias da antiguidade clássica 1
Os mitos da Grécia e de Roma
Mais belas histórias da antiguidade clássica 1 - Os mitos da Grécia e de Roma | 1996 |
Gustav Schwab
Mitologia Grega, V.3
Os Heróis
Mitologia Grega, V.3 - Os Heróis | 408 |
Junito de Souza Brandão
Grécia Antiga
Grécia Antiga -  | 2009 |
Universidade de Cambridge
Mais belas histórias da antiguidade clássica 2
Os mitos da Grécia e de Roma
Mais belas histórias da antiguidade clássica 2 - Os mitos da Grécia e de Roma | 1995 |
Gustav Schwab
O Grande Livro dos Mitos Gregos
O Grande Livro dos Mitos Gregos -  | 2008 |
Robert Graves
Biblioteca de Alexandria
As Histórias da Maior Biblioteca da Antiguidade
Biblioteca de Alexandria - As Histórias da Maior Biblioteca da Antiguidade | 2010 |
Derek Adrie Flower
Mundo Greco-Romano
O Sagrado e o Profano
Mundo Greco-Romano - O Sagrado e o Profano | 2006 |
Moacyr Flores
As Religiões Que o Mundo Esqueceu
As Religiões Que o Mundo Esqueceu -  | 2008 |
Pedro Paulo Funari
Larousse Das Civilizaçoes Antigas
Larousse Das Civilizaçoes Antigas -  | 2009 |
Organizadaora Catherine Salles
Um Estudo Crítico da História Vol. I
Um Estudo Crítico da História Vol. I -  | 2001 |
Hélio Jaguaribe
A Guerra na Antiguidade
Volume II
A Guerra na Antiguidade - Volume II | 2008 |
José Varandas (coord)
Mitologia Grega, V.1
Mitologia Grega, V.1 -  | 2009 |
Junito de Souza Brandão
Mitologias do Mundo
Histórias das
Mitologias do Mundo - Histórias das | 2011 |
Nano Gardin
Mitologia Grega, V.2
Mitologia Grega, V.2 -  | 2009 |
Junito de Souza Brandão
Navegando o Mar de Vinho
Navegando o Mar de Vinho -  | 2009 |
Thomas Cahill
O Nascimento da Democracia Ateniense
A assembléia no século V a.e.c.
O Nascimento da Democracia Ateniense - A assembléia no século V a.e.c. | 2005 |
Chester G. Starr
A Civilização Grega
A Civilização Grega -  | 2007 |
André Bonnard
A Guerra do Peloponeso
Novas perspectivas
A Guerra do Peloponeso - Novas perspectivas | 2006 |
Donald Kagan
Fogo Persa
O Primeiro império mundial e a batalha pelo ocidente
Fogo Persa - O Primeiro império mundial e a batalha pelo ocidente | 2008 |
Tom Holland
Mais belas histórias da antiguidade clássica 3
Os mitos da Grécia e de Roma
Mais belas histórias da antiguidade clássica 3 - Os mitos da Grécia e de Roma | 1996 |
Gustav Schwab

 

(Derek Adie Flower)

Alexandria logo havia se tornado um polo de atração para homens de todas as nacionalidades e credos, e uma das comunidades que mais cresciam era a judia, estabelecida em uma área especialmente escolhida a leste do Bruquíon, onde viviam a "realeza" e os cidadãos gregos.

Normalmente, os imigrantes judeus daquela época tinham tendência a viver juntos, guardando com zelo seus costumes e tradições, e conservando a língua materna na qual haviam sido criados. Mas como a língua falada em Alexandria era o grego, quando a segunda e terceira gerações substituíram os primeiros colonos vindos de Jerusalém, sua linguagem, o hebreu, ficou tão antiquada que poucos conseguiam ler seus livros religiosos sagrados.

Assim, os rabinos decidiram que a solução lógica era traduzir para o grego a Torá ou Pentateuco (os cinco primeiros livros do Antigo Testamento).

Existem várias lendas sobre quando e como aconteceu a tradução. A mais pitoresca conta que, a pedido do Sumo Sacerdote Eliezar, Demétrio Falereu exortou Ptolomeu I a mandar trazer de Jerusalém os tradutores mais qualificados. O resultado foi a vinda de 72 tradutores - seis de cada uma das doze tribos de Israel -, que foram abrigados em um número equivalente de celas na Ilha de Faro. Setenta dias depois, a tradução estava concluída, daí o nome Septuaginta, que em grego significa setenta.

Essa versão da história foi contada em um duvidoso documento do século II a.e.c., chamado Carta de Aristeu. Ninguém sabe quem era esse Aristeu, onde viveu, se era grego ou judeu. E, no entanto, curiosamente, homens de letras confiáveis, como Filo,74Josefo75 e Tzetzes, do século 12 d.e.c., a aceitaram como historicamente válida.

Na verdade, o trabalho de tradução provavelmente levou alguns anos, ou mesmo décadas, e agora se presume que foi completado entre o fim do século III a.e.c e a metade do século II a.e.c.

Existe também uma teoria, baseada em estudos recentes, de que a Septuaginta foi produzida na Palestina e não em Alexandria, embora a pedido especial das autoridades judias de Alexandria. Possivelmente, ambas as versões têm algo de verdade, mas há pouca dúvida de que a cultura alexandrina foi basicamente a responsável pela que ficou conhecida como uma das mais importantes traduções jamais realizadas.

Até então, o estudo dos textos do Antigo Testamento estava reservado exclusivamente aos eruditos hebreus. Com a Septuaginta em grego, a linguagem cotidiana falada na maior parte do mundo helénico, o estudo dos cinco primeiros livros da Bíblia tornou-se disponível a um público amplo e diversificado. Desnecessário sublinhar as repercussões religiosas e filosóficas que isso teria na civilização ocidental nos séculos vindouros.

O declínio

Por volta da metade do século II a.e.c, a torre de marfim da erudição alexandrina sofreu seu primeiro revés.

A decadência começou já com a subida ao trono em 222 a.e.c. de Ptolomeu IV Filopátor (Amante de seu Pai, isto é, o falecido Evergeta). Ao contrário de seus três antecessores reais, que tornaram Alexandria conhecida política e culturalmente, parece que esse faraó só estava interessado em sexo e bebida. E, embora tenha conseguido repelir um ataque selêucida ao Egito na batalha de Ráfia em 217 a.e.c., isso ocorreu à custa da estabilidade social e com tumultos e desordens explodindo em todo o vale do Nilo.

Doze anos mais tarde (205 a.e.c.), Ptolomeu V Epifânio (manifestação de Deus), filho do casamento de Evergeta com sua irmã Arsinoé III, subiu ao trono. Em seu reinado de 24 anos, conseguiu perder todas as possessões gloriosamente conquistadas por seus antecessores fora das fronteiras do país, por isso teve de pedir socorro a Roma, assinalando o declínio político do Egito e sua decadência como potência dominante, passando a uma posição de segunda categoria.

Mas os sinos da morte começaram realmente a dobrar para esse outrora poderoso império quando o cônsul romano Gaio Popilo Lena teve de correr em socorro do próximo rei, Ptolomeu VI Filométor (amante de sua mãe) para ajudá-lo a acuar o rei sírio, Antíoco Epifânio, quando o exército deste cercou as muralhas de Alexandria.

A primeira metade do século II a.e.c. foi uma das mais terríveis na história do Egito ptolemaico, do Museu e da Biblioteca, pois, por quase sessenta anos, Ptolomeu VI e seu irmão, Ptolomeu VII (Neo Filopátor), se derrubaram alternadamente do trono e lançaram o Egito em uma total dependência de Roma.

A degeneração latente da família real atingiu o clímax com o monstruosamente gordo Ptolomeu VIII Evergeta, que bateu recordes de incesto ao casar-se primeiro com sua irmã, Cleópatra II (que também havia sido esposa de seu irmão), e depois com sua sobrinha, Cleópatra III.

Infelizmente para a cultura alexandrina, Fiscon, "Gorducho", como ele era apelidado, cuja forma elefantina podia ser vista frequentemente gingando pelos jardins do palácio enrolado apenas em uma gaze transparente, adquiriu uma aversão tão selvagem e irracional aos intelectuais gregos do Museu e da Biblioteca que vários deles sentiram suas vidas ameaçadas e fugiram, causando uma drenagem invertida de cérebros, quando a fama de pertencer ao mais importante centro de erudição se desgastou ao extremo e o patrocínio real não só deixou de existir como também se tornou fonte de perigo pessoal.

Isso não significou que os homens de ciências e letras pararam de frequentar a Biblioteca. Continuaram a fazê-lo, mas na Biblioteca Filha existente no Serapeum, na parte egípcia da cidade, onde se sentiam menos ameaçados pelos perversos caprichos do monarca. E, embora o auge tivesse passado, o grande centro do conhecimento continuou a influenciar a cultura mundial por meio de meia dúzia de homens que, apesar das dificuldades, mantiveram ardendo a chama do pensamento alexandrino.

Um geômetra, três gramáticos, um astrônomo e um físico: eles simbolizam os quatro campos do conhecimento pelos quais as escolas de Alexandria ficaram famosas.

 

Fonte:
A Biblioteca de Alexandria
Outros Textos
Civilização Egípcia | A rainha Isis
Mitologia Grega | Mitos de transformação
Civilização Celta | Os celtas
Listar todos do Templo
Versão para impressão
   
Como citar essa página?
Geologia
27/07/2014 | 01:34h
A vida Pré-Cambriana
O Vêndico, que terminou há quinhentos e Quarenta e cinco milhões de anos, marcou a ultima etapa do sistema Pré-Câmbriano. Este longo intervalo da história da Terra foi uma época de continentes à deriva e de alterações atmosféricas e da química dos oceanos. Os geólogos possuem bom número de provas que demonstram que nos tempos vêndicos a maioria dos continentes se aglomerava no hemisfério sul, com o Noroeste de África situado sobre o Pólo Sul. Por volta do final deste período, as placas continentais reuniram-se, formando um supercontinente de curta duração, a que se deu o nome de Panótia.
Psicologia
23/07/2014 | 20:59h
O que é a emoção?
Uma palavra sobre o que quero dizer sob a rubrica emoção, termo cujo significado preciso psicólogos e filósofos discutem há mais de um século. Em seu sentido mais literal, o Oxford English Dictionary define emoção como “qualquer agitação ou perturbação da mente, sentimento, paixão; qualquer estado mental veemente ou excitado”. Eu entendo que emoção se refere a um sentimento e seus pensamentos distintos, estados psicológicos e biológicos, e a uma gama de tendências para agir. Há centenas de emoções, juntamente com suas combina­ções, variações, mutações e matizes. Na verdade, existem mais sutilezas de emoções do que as palavras que temos para defini-las.
História
23/07/2014 | 20:58h
Testemunhas da Primeira Guerra Mundial
Esmee Sartorious trabalhou como enfermeira durante toda a guerra, primeiro na Bélgica, depois em hospitais na frente britânica e, por fim, na Itália. Antes de voltar para casa por meio da neutra Holanda, em agosto de 1914 ela viu de perto o início da ocupação alemã na Bélgica: Como tantas outras, quando a guerra foi declarada, eu me apresentei imediatamente à organização St. John’s Ambulance, a fim de saber se havia a possibilidade de que me designassem para exercer alguma função; minha única recomendação era um treinamento de três meses no Hospital de Londres [...]. Três dias depois, a Cruz Vermelha britânica recebeu uma solicitação de 40 enfermeiras que seriam enviadas à Bélgica […] e me perguntaram se eu queria ir. Naturalmente, aceitei com entusiasmo, e no dia 14 de agosto estava em Bruxelas.
História
22/07/2014 | 19:55h
Czar Nicolau II
Ficaria conhecido na história como o Czar Libertador, o homem responsável pela libertação dos servos e pela in­trodução de grandes reformas internas. Mas para os pe­quenos e determinados grupos revolucionários russos do final do século XIX, Alexandre II era o símbolo de repressão, cuja morte era necessária para a introdução de uma nova ordem.
Psicologia
20/07/2014 | 01:02h
Aprendizado emocional nas Escolas
O tema, por sua própria natureza, exige que professores e alunos se concentrem no tecido emocional da vida da criança — uma concentração decididamente ignorada em quase todas as outras salas de aula dos Estados Unidos. A estratégia aqui inclui o uso das tensões e traumas da vida das crianças como o tema do dia. Os professores falam de problemas reais — a mágoa por ser deixado de fora, inveja, desacordos que podem se transformar numa batalha no pátio de recreio. Como diz Karen Stone McCown, criadora do Currículo da Ciência do Eu e diretora da Nueva
Psicologia
19/07/2014 | 23:55h
Controle emocional aprendido desde o berço
O fato é muito chocante. Mas é também mais um indicador, à nossa disposição, para que tomemos consciência da necessidade, urgente, de ensinamentos que objetivem o controle das emoções, as resoluções de desentendimentos de forma pacífica e, enfim, a boa convivência entre as pessoas. Os educadores, há muito preocupados com as notas baixas dos alunos em matemática e leitura, começam a constatar que existe um outro tipo de deficiência e que é mais alarmante: o analfabetismo emocional. Apesar dos louváveis esforços que visam a melhorar o desempenho acadêmico, esse novo tipo de deficiência ainda não ganhou espaço no currículo escolar. Como disse um professor do Brooklyn, a atual ênfase do ensino parece sugerir que “nos preocupamos mais com a qualidade da leitura e escrita dos alunos do que em saber se eles vão estar vivos na semana que vem”.
Psicologia
17/07/2014 | 20:19h
Experiência traumática e o reaprendizado emocional
Esses momentos vívidos, aterrorizantes, dizem hoje os neurocientistas, tomam-se lembranças impressas nos circuitos emocionais. Os sintomas são na verdade sinais de uma amígdala cortical superestimulada impelindo as vívidas lembranças do momento traumático a continuar invadindo a consciência. Como tal as lembranças traumáticas tornam-se gatilhos sensíveis, prontos para soar o alarme ao menor sinal de que o momento temido está para acontecer mais uma vez. Esse fenômeno de gatilho sensível é uma marca característica de todos os tipos de trauma emocional, incluindo os repetidos maus-tratos físicos na infância. Qualquer fato traumatizante pode gravar essas lembranças disparadoras na amígdala cortical: um incêndio ou acidente de carro, uma catástrofe natural como um terremoto ou furacão, estupro ou assalto. Milhares de pessoas todo ano vivem esse tipo de tragédia e muitas ou a maioria fica com uma espécie de ferida emocional que fica marcada no cérebro.
História
17/07/2014 | 20:06h
A vida camponesa russa - Aristocratas e servos
ra o ano de 1803 quando, no final de uma tarde quente de agosto, a menina Mar­ta Wilmot chegou a Troitskoe. Enviada na esperança de que este interregno a ajuda­ria a suportar a dor provocada pela morte do seu irmão favorito, não podia estar mais ansiosa para sair da carruagem. Tinha feito uma parada em São Petersburgo, após uma longa viagem, e tinha ouvido alguns comentários desagradáveis acerca da prin­cesa Dashkova. “Foi apresentada a mim”, lembra Marta, muitos anos mais tarde, “ como a pessoa mais cruel e vingativa deste mundo” . A jovem estrangeira tinha sido avisada de que Troitskoe não passava de uma fortaleza erma, habitada por uma sinis­tra castelã capaz de chegar ao ponto de censurar a correspondência de Marta.