A value is required.
Para mim, um homem vale trinta minas; uma multidão não vale nem uma só...
Heráclito
Cosmogonia Antropogenese Apocalipse Mitos e Lendas Deuses Herois Divindades Filmes Épicos
A Septuaginta alexandrina
Comentários | Referências bibliográficas | Como citar essa página?
Dos democratas aos reis
Dos democratas aos reis -  | 2012 |
Michael Scott
Fogo Persa
O Primeiro império mundial e a batalha pelo ocidente
Fogo Persa - O Primeiro império mundial e a batalha pelo ocidente | 2008 |
Tom Holland
Mitologia Grega, V.3
Os Heróis
Mitologia Grega, V.3 - Os Heróis | 408 |
Junito de Souza Brandão
Biblioteca de Alexandria
As Histórias da Maior Biblioteca da Antiguidade
Biblioteca de Alexandria - As Histórias da Maior Biblioteca da Antiguidade | 2010 |
Derek Adrie Flower
Mais belas histórias da antiguidade clássica 3
Os mitos da Grécia e de Roma
Mais belas histórias da antiguidade clássica 3 - Os mitos da Grécia e de Roma | 1996 |
Gustav Schwab
Larousse Das Civilizaçoes Antigas
Larousse Das Civilizaçoes Antigas -  | 2009 |
Organizadaora Catherine Salles
Navegando o Mar de Vinho
Navegando o Mar de Vinho -  | 2009 |
Thomas Cahill
Grécia Antiga
Grécia Antiga -  | 2009 |
Universidade de Cambridge
Um Estudo Crítico da História Vol. I
Um Estudo Crítico da História Vol. I -  | 2001 |
Hélio Jaguaribe
O Nascimento da Democracia Ateniense
A assembléia no século V a.e.c.
O Nascimento da Democracia Ateniense - A assembléia no século V a.e.c. | 2005 |
Chester G. Starr
A Guerra do Peloponeso
Novas perspectivas
A Guerra do Peloponeso - Novas perspectivas | 2006 |
Donald Kagan
A Civilização Grega
A Civilização Grega -  | 2007 |
André Bonnard
Mitologias do Mundo
Histórias das
Mitologias do Mundo - Histórias das | 2011 |
Nano Gardin
Mundo Greco-Romano
O Sagrado e o Profano
Mundo Greco-Romano - O Sagrado e o Profano | 2006 |
Moacyr Flores
Mitologia Grega, V.2
Mitologia Grega, V.2 -  | 2009 |
Junito de Souza Brandão
Introdução a História da Antiguidade
Introdução a História da Antiguidade -  | 2009 |
Pierre Cabanes
Mitologia Grega, V.1
Mitologia Grega, V.1 -  | 2009 |
Junito de Souza Brandão
As Religiões Que o Mundo Esqueceu
As Religiões Que o Mundo Esqueceu -  | 2008 |
Pedro Paulo Funari
O Grande Livro dos Mitos Gregos
O Grande Livro dos Mitos Gregos -  | 2008 |
Robert Graves
Mais belas histórias da antiguidade clássica 1
Os mitos da Grécia e de Roma
Mais belas histórias da antiguidade clássica 1 - Os mitos da Grécia e de Roma | 1996 |
Gustav Schwab
A Guerra na Antiguidade
Volume II
A Guerra na Antiguidade - Volume II | 2008 |
José Varandas (coord)
Mais belas histórias da antiguidade clássica 2
Os mitos da Grécia e de Roma
Mais belas histórias da antiguidade clássica 2 - Os mitos da Grécia e de Roma | 1995 |
Gustav Schwab

 

(Derek Adie Flower)

Alexandria logo havia se tornado um polo de atração para homens de todas as nacionalidades e credos, e uma das comunidades que mais cresciam era a judia, estabelecida em uma área especialmente escolhida a leste do Bruquíon, onde viviam a "realeza" e os cidadãos gregos.

Normalmente, os imigrantes judeus daquela época tinham tendência a viver juntos, guardando com zelo seus costumes e tradições, e conservando a língua materna na qual haviam sido criados. Mas como a língua falada em Alexandria era o grego, quando a segunda e terceira gerações substituíram os primeiros colonos vindos de Jerusalém, sua linguagem, o hebreu, ficou tão antiquada que poucos conseguiam ler seus livros religiosos sagrados.

Assim, os rabinos decidiram que a solução lógica era traduzir para o grego a Torá ou Pentateuco (os cinco primeiros livros do Antigo Testamento).

Existem várias lendas sobre quando e como aconteceu a tradução. A mais pitoresca conta que, a pedido do Sumo Sacerdote Eliezar, Demétrio Falereu exortou Ptolomeu I a mandar trazer de Jerusalém os tradutores mais qualificados. O resultado foi a vinda de 72 tradutores - seis de cada uma das doze tribos de Israel -, que foram abrigados em um número equivalente de celas na Ilha de Faro. Setenta dias depois, a tradução estava concluída, daí o nome Septuaginta, que em grego significa setenta.

Essa versão da história foi contada em um duvidoso documento do século II a.e.c., chamado Carta de Aristeu. Ninguém sabe quem era esse Aristeu, onde viveu, se era grego ou judeu. E, no entanto, curiosamente, homens de letras confiáveis, como Filo,74Josefo75 e Tzetzes, do século 12 d.e.c., a aceitaram como historicamente válida.

Na verdade, o trabalho de tradução provavelmente levou alguns anos, ou mesmo décadas, e agora se presume que foi completado entre o fim do século III a.e.c e a metade do século II a.e.c.

Existe também uma teoria, baseada em estudos recentes, de que a Septuaginta foi produzida na Palestina e não em Alexandria, embora a pedido especial das autoridades judias de Alexandria. Possivelmente, ambas as versões têm algo de verdade, mas há pouca dúvida de que a cultura alexandrina foi basicamente a responsável pela que ficou conhecida como uma das mais importantes traduções jamais realizadas.

Até então, o estudo dos textos do Antigo Testamento estava reservado exclusivamente aos eruditos hebreus. Com a Septuaginta em grego, a linguagem cotidiana falada na maior parte do mundo helénico, o estudo dos cinco primeiros livros da Bíblia tornou-se disponível a um público amplo e diversificado. Desnecessário sublinhar as repercussões religiosas e filosóficas que isso teria na civilização ocidental nos séculos vindouros.

O declínio

Por volta da metade do século II a.e.c, a torre de marfim da erudição alexandrina sofreu seu primeiro revés.

A decadência começou já com a subida ao trono em 222 a.e.c. de Ptolomeu IV Filopátor (Amante de seu Pai, isto é, o falecido Evergeta). Ao contrário de seus três antecessores reais, que tornaram Alexandria conhecida política e culturalmente, parece que esse faraó só estava interessado em sexo e bebida. E, embora tenha conseguido repelir um ataque selêucida ao Egito na batalha de Ráfia em 217 a.e.c., isso ocorreu à custa da estabilidade social e com tumultos e desordens explodindo em todo o vale do Nilo.

Doze anos mais tarde (205 a.e.c.), Ptolomeu V Epifânio (manifestação de Deus), filho do casamento de Evergeta com sua irmã Arsinoé III, subiu ao trono. Em seu reinado de 24 anos, conseguiu perder todas as possessões gloriosamente conquistadas por seus antecessores fora das fronteiras do país, por isso teve de pedir socorro a Roma, assinalando o declínio político do Egito e sua decadência como potência dominante, passando a uma posição de segunda categoria.

Mas os sinos da morte começaram realmente a dobrar para esse outrora poderoso império quando o cônsul romano Gaio Popilo Lena teve de correr em socorro do próximo rei, Ptolomeu VI Filométor (amante de sua mãe) para ajudá-lo a acuar o rei sírio, Antíoco Epifânio, quando o exército deste cercou as muralhas de Alexandria.

A primeira metade do século II a.e.c. foi uma das mais terríveis na história do Egito ptolemaico, do Museu e da Biblioteca, pois, por quase sessenta anos, Ptolomeu VI e seu irmão, Ptolomeu VII (Neo Filopátor), se derrubaram alternadamente do trono e lançaram o Egito em uma total dependência de Roma.

A degeneração latente da família real atingiu o clímax com o monstruosamente gordo Ptolomeu VIII Evergeta, que bateu recordes de incesto ao casar-se primeiro com sua irmã, Cleópatra II (que também havia sido esposa de seu irmão), e depois com sua sobrinha, Cleópatra III.

Infelizmente para a cultura alexandrina, Fiscon, "Gorducho", como ele era apelidado, cuja forma elefantina podia ser vista frequentemente gingando pelos jardins do palácio enrolado apenas em uma gaze transparente, adquiriu uma aversão tão selvagem e irracional aos intelectuais gregos do Museu e da Biblioteca que vários deles sentiram suas vidas ameaçadas e fugiram, causando uma drenagem invertida de cérebros, quando a fama de pertencer ao mais importante centro de erudição se desgastou ao extremo e o patrocínio real não só deixou de existir como também se tornou fonte de perigo pessoal.

Isso não significou que os homens de ciências e letras pararam de frequentar a Biblioteca. Continuaram a fazê-lo, mas na Biblioteca Filha existente no Serapeum, na parte egípcia da cidade, onde se sentiam menos ameaçados pelos perversos caprichos do monarca. E, embora o auge tivesse passado, o grande centro do conhecimento continuou a influenciar a cultura mundial por meio de meia dúzia de homens que, apesar das dificuldades, mantiveram ardendo a chama do pensamento alexandrino.

Um geômetra, três gramáticos, um astrônomo e um físico: eles simbolizam os quatro campos do conhecimento pelos quais as escolas de Alexandria ficaram famosas.

 

Fonte:
A Biblioteca de Alexandria
Outros Textos
Mitologia Grega | A casa de Édipo
Mitologia Chinesa | A Mitologia Chinesa
Mitologia Egípcia | Ísis e Rá
Listar todos do Templo
Versão para impressão
   
Como citar essa página?
Psicologia
17/04/2014 | 21:31h
Chantagem Emocional
Você tem medo de ser reprovado ou tem medo do outro? Você sente que deve a alguém uma obrigação, mesmo quando se trata de algo que você não deseja fazer ou que é ruim para você? Você se sente culpado quando não cede às solicitações do outro? Situações deste tipo fazem você se sentir que não é uma pessoa boa? De acordo com a autora Susan Forward, se você respondeu sim a qualquer destas pergun­ tas, existe uma grande chance de que você possa “sucumbir” à chantagem emocional do outro.
Psicologia
17/04/2014 | 16:28h
Fios, seduções e olhares: os primórdios 'psi' nas terapias para corpos e mentes perturbados
Viena, último quarto do século XVIII. A mansão da Landstrasse número 261 recebe músicos famosos no teatro montado no jardim; nas reuniões são servidas as mais sofisticadas iguarias, enquanto os convidados passeiam entre as estátuas, apreciam a piscina circular de mármore e sobem o pequeno morro para avistarem o Danúbio. Trata-se da casa de Franz Anton Mesmer (1734-1815), um alemão enriquecido pelo matrimônio, homem de notável cultura, ele mesmo um músico, com títulos no campo da teologia, doutor em filosofia, em direito e, por fim, em medicina, na qual se formou aos 32 anos, apresentando a Universidade de Viena a dissertação acerca da influência dos ciclos planetários nos distúrbios humanos.
Psicologia
14/04/2014 | 21:57h
Behaviorismo: As influências anteriores
Hans, o Esperto, foi o cavalo mais famoso de toda a história da psicologia. Naturalmente, ele foi o único cavalo na história da psicologia, mas isso não diminui suas realizações extraordina­riamente brilhantes. No início da década de 1900, praticamente toda pessoa culta da Europa e dos Estados Unidos já ouvira falar a respeito de Hans, o cavalo prodígio. Ele foi o cavalo mais esperto do mundo e conhecido até como a criatura de quatro patas mais inteligente de que se ouvira falar.
História
10/04/2014 | 18:57h
Papiro que fala da esposa de Jesus não é falso, diz pesquisa
Um pedaço de papiro antigo que contém uma menção à esposa de Jesus não é uma falsificação, de acordo com uma análise científica do controverso texto, declararam nesta quinta-feira pesquisadores americanos. Acredita-se que o fragmento seja proveniente do Egito e contém escritos na língua copta, que afirmam: "Jesus disse-lhes: 'Minha esposa...'". Outra parte diz ainda: "Ela poderá ser minha discípula". A descoberta do papiro, em 2012, provocou um rebuliço. Pelo fato de a tradição cristã afirmar que Jesus não era casado, o documento atiçou os debates sobre o celibato e o papel das mulheres na Igreja.
Psicologia
25/03/2014 | 09:57h
Comparação e genealogia na psicologia inglesa no século XIX
A obra de Charles Darwin (1809-1882) marcou de maneira incontornável a concepção do vivo no século XIX e os cinquenta anos que sucederam a publicação de Origem das espécies (1859) podem ser chamados de era darwiniana não só na psicologia, mas na biologia e nas ciências sociais (Jacquard, 1986). Ao final de sua obra marco, Darwin “visualiza novos campos que se estendem para pesquisas ainda mais importantes” e continua sua previsão escrevendo que a "psicologia irá basear-se num fundamento novo, o da necessária aquisição gradual de cada faculdade mental. Dessa forma, "nova luz será lançada sobre o problema da origem do homem e de sua história” (Darwin, 1859: 351).
Psicologia
24/03/2014 | 11:31h
Funcionalismo Fundação e Evolução
Ele foi um dos homens mais famosos do mundo; contudo, frequentemente andava pelas ruas de Londres usando protetores de orelha para proteger seus pensamentos de interferências externas. Sempre que sons o perturbavam, seu dia estava arruinado. Charles Darwin o chamava de "nosso filósofo", e, frequentemente, era possível vê-lo va­gando sem rumo "sem conseguir se concentrar, escrever ou mesmo ler” (Coser, 1977, p. 104-105).
Psicologia
20/03/2014 | 23:53h
Wilhelm Wundt e o estudo da experiência imediata
ilhelm Wundt (1832-1920) é normalm ente considerado, na historiografia da psicologia, como o fundador da psicologia científica, tí­tulo este que está diretamente relacionado ao fato de ter criado, em 1879, o Laboratório de Psicologia na Universidade de Leipzig, na Alemanha. Além disso, é um dos autores mais citados e mencionados nos manuais de história da psicologia. Entretanto, apesar de toda essa fama, Wundt ainda é um autor não só bastante desconhecido, como também aquele, dentre os chamados “fundadores” da psicologia, cujas ideias mais sofreram distorções na literatura psicológica. Não só a extensão e as dificuldades de acesso à sua obra original, mas principalmente a atitude de vários historiadores da psicologia, que têm se detido apenas em partes dela, sem se preocupar com o sentido geral do seu sistema de pensamento, têm contribuído para essa situação desconfortável. Sendo assim, a primeira coisa que o leitor interessado em se aproximar da psicologia de Wundt deve ter em mente é que estamos ainda longe de ter uma clara e adequada compreensão de toda a sua obra e o que aqui nos interessa mais de perto, do lugar que seu projeto psicológico nela ocupa.
História
18/03/2014 | 00:38h
300 anos dos Romanov
Em 11 de Julho de 1613, um novo czar foi coroado na Ca­tedral da Assunção, em Moscou. Seu nome era Miguel Feodorovich e nele eram depositadas grandes esperanças. O inexperiente Estado russo tinha acabado de sair de um período de quinze anos de guerras externas e revoltas inter­nas, chamado Tempos Difíceis, e esperava-se que o jovem de dezesseis anos, Miguel Feodorovich, trouxesse para a Rússia dias melhores. Entre as suas qualidades principais es­tava a ligação que tinha com o passado glorioso do país. Mi­guel III era um Romanov, uma família unida por matrimônio àquele que continua sendo considerado o maior de todos os governantes russos, Ivan IV, ou como ficaria conhecido historicamente, Ivan, o Terrível.